Publicador de conteúdo web

Notícias

19 de Julho de 2017

Petrópolis sediará 1º Encontro de Mediadores do estado

17 de Julho de 2017

TJ se prepara para a criação do Centro de Soluções de Conflitos Compartilhado

07 de Julho de 2017

Mediadores e a ordem jurídica justa: Emerj abordará tema em palestra gratuita

03 de Julho de 2017

Jacarepaguá promoverá mutirão de mediação em julho

29 de Maio de 2017

Aula inaugural do 'Justiça Cidadã' discute importância de serviços extrajudiciais

5 de Maio de 2017

Fórum Regional do Méier receberá Oficina de Parentalidade na sexta, dia 5

4 de Maio de 2017

TJRJ inaugura Central de Mediações no Fórum de Itaipava nesta sexta

28 de Abril de 2017

Sistema virtual do CNJ garante mediação entre consumidores e empresas

20 de Abril de 2017

Semana de Mediação em Nova Iguaçu tem palestra sobre violência doméstica

11 de Abril de 2017

Corregedoria promove mutirão de mediação com concessionárias

10 de Abril de 2017

Desembargador do TJ participa de Seminário de Mediação da Polícia Civil

6 de Março de 2017

Durante a hora do recreio, dois estudantes se agridem fisicamente. Para resolver a questão, não mais gritaria e repressão. Um aluno mediador se reúne com os jovens e, em uma mediação, solucionam seus conflitos. Esse cenário não é ficção: é o objetivo do novo acordo firmado entre a Secretaria de Estado de Educação (SEEDUC) e o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), que assinaram nesta segunda-feira (6), um convênio para a instalação de núcleos de mediação nas instituições de ensino do Rio de Janeiro.

Na solenidade, que contou com a presença de autoridades do Executivo e do Judiciário, a importância da construção de laços entre a Educação e a Justiça como ferramenta de mudança social teve grande ênfase. "Aplicar essa política desde os bancos escolares é a certeza de formarmos gerações mais voltadas para a pacificação, para a negociação, para o diálogo e para a construção de consenso. É um ganho inequívoco para toda a sociedade", observou o presidente do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (NUPEMEC) do TJRJ, desembargador Cesar Cury.

Já o presidente do TJRJ, desembargador Milton Fernandes de Souza, felicitou os envolvidos e frisou a necessidade da adoção dos métodos alternativos de resolução de conflitos, reduzindo a prática de transformar qualquer questão em processo judicial. "A mediação é um futuro e uma solução", afirmou o magistrado. "Nossa sociedade é extremamente beligerante. Se conseguirmos outros meios de solução de conflitos e eles obtiverem sucesso, tudo se resolverá de forma avançada, como é feito em outros países", concluiu.

Satisfeito com a parceira, o secretário de Educação, Wagner Victer, ressaltou o funcionamento do projeto. "Para nós é bastante inovador no sentido em que vamos qualificar da rede de educação diretores, coordenadores regionais, pessoas que historicamente fazem o dia a dia nas escolas, com as melhores práticas de mediação. A parceria entre aquele que executa com quem julga é bastante positiva".

Também estiveram presentes na assinatura a juíza coordenadora do Projeto de Mediação Escolar, Érica de Paula Rodrigues da Cunha, a procuradora Anna Maria Di Masi e a promotora Eliane Lima.

Sensibilização

Após a solenidade, os mediadores Naura dos Santos Americano e Luiz Sérgio Gonçalves deram uma palestra de sensibilização aos servidores do SEEDUC. Mais de 120 gestores foram introduzidos aos detalhes da implantação do Projeto de Mediação Escolar, tendo como ponto de partida um curso de formação oferecido pelo TJRJ, que montará uma equipe de mediadores escolares que terão o papel de multiplicar o conhecimento em suas respectivas instituições de atuação.

RC/AB

Foto: Brunno Dantas/TJRJ

 

8 de Novembro de 2016
 

Foi realizada nesta terça-feira, dia 08, no Museu da Justiça, a Oficina de Parentalidade, promovido pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), através do Centro Judiciário de Soluções de Conflitos da Capital (CEJUSC). A oficina tem por objetivo conversar com casais que se separaram e tem ações na justiça a se entenderem e, através de mediações, resolverem suas situações, preservando os filhos.

Na edição desta terça-feira, estavam presentes a juíza titular da 1ª Vara de Família, Daniela Brandão Ferreira, e a analista judiciária e instrutora de oficina de parentalidade Maria de Fátima Almeida. Dentre os temas debatidos com os casais estão guarda compartilhada dos filhos, alienação parental, convivência e direito da criança, além da responsabilidade dos pais.

A juíza Daniela Brandão ressaltou que espera que todas as situações sejam resolvidas o mais rápido possível, e que o foco dos casais deve ser voltado para os filhos. ''A nossa ideia é que o processo dure o mínimo possível. É para isso que tentamos, nesta oficina, encaminhar vocês para mediação. Vocês precisam de energia para cuidar dos filhos. Sabemos que está cada vez mais complicado, e o tempo não pode ser perdido com processo na justiça'', disse.

Maria de Fátima falou sobre o evento. Segundo ela, o saldo é positivo, e a oficina, que já foi realizada outras vezes, leva os casais a resolver suas pendências.

''A gente tem realizado esses eventos com bastante sucesso aqui no Tribunal, onde ao término da oficina nós convidamos as partes para vir para a mediação, onde poderão conversar e tratar dos interesses deles e dos filhos. Os resultados são positivos. Dos casos que vão para a mediação, quase 100% é resolvido. Acreditamos ser um trabalho de reflexão, pedagógico para o casal '', comentou. Para completar, contou como surgiu a oficina de parentalidade. ''As oficinas foram idealizadas através de uma pesquisa feita por uma juíza de São Paulo. Ela pesquisou em diversas comarcas, inclusive no TJRJ, para criar um trabalho em que fosse feito com as famílias um processo de separação que preservasse os filhos do conflito que surge com o rompimento da relação''. A mediação dos casais que participaram nesta terça será realizada no dia 25 de novembro.

Já está marcada uma nova edição da Oficina, que será realizada no dia 22 de novembro.

Foto: Gustavo Lethier/TJRJ

 

 

27 de Setembro de 2016

Passa a funcionar nesta terça-feira, dia 27, o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSC) da Comarca de Cabo Frio. A instalação do centro foi homologada a partir do Ato Executivo Conjunto 14/2016, assinado pelo presidente do TJRJ, desembargador Luiz Fernando Ribeiro de Carvalho, e pela corregedora geral, desembargadora Maria Augusta Vaz Monteiro de Figueiredo.

O CEJUSC de Cabo Frio vai funcionar na Rua Ministro Gama Filho s/n, 1º andar, Bairro Braga, Cabo Frio. As varas cíveis, de família e os juizados especiais criminais estarão vinculados às atribuições do centro.

Caberá ao CEJUSC a realização de conciliações e mediações processuais e pré-processuais, além de supervisionar as atividades dos conciliadores e mediadores de acordo com o modelo definido pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (NUPEMEC).

Na justificativa, o presidente e a corregedora ressaltam que a mediação e a conciliação são formas consensuais de solução de conflitos, e que a implementação é possível em qualquer momento da relação processual, principalmente na primeira instância.

Além disso, a Lei 13.105/15, que trata do Novo Código de Processo Civil, prioriza a mediação e à conciliação, cabendo ao Judiciário estimular o desenvolvimento das atividades.

 

22 de Setembro de 2016

Prezados,

De ordem do Excelentíssimo DESEMBARGADOR LUIZ FERNANDO RIBEIRO DE CARVALHO, promove-se a divulgação da II Conferência Nacional de Mediação e  Conciliação.

O evento será realizado nos dias 05 e 06 de outubro de 2016, no Tribunal Superior do trabalho e tem por público-alvo mediadores, conciliadores, tribunais, câmaras de mediação e conciliação e jurisdicionais de todo o país.

Vale ressaltar, no entanto, que o prazo para as inscrições é exíguo, do dia 20 a 28 de setembro de 2016, e que este tribunal somente recebeu o e-mail em 20 de setembro e que foi disponibilizado o link http://www.cnj.jus.br/eventos/pages/public/inscricao/inscricaoEvento.jsf?idEvento=275 para esse desiderato.

13 de Setembro de 2016
 

Notícia de NUPEMEC implementa convênio com a Arquidiocese Metropolitana de São Sebastião do Rio de Janeiro para capacitar lideranças da Igreja Católica em métodos adequados de solução de conflitos.

Em encontro na Arquidiocese a Desembargadora Luisa Bottrel, coordenadora do projeto, juntamente com a equipe do NUPEMEC, apresentou o projeto aos Vigários Episcopais e também, ao atual coordenador do Projeto, junto a Arquidiocese Padre Manangão ressaltando que a capacitação se destina a habilitar as lideranças católicas para atuarem como mediadores nos centros de mediação que serão implantados nas paróquias.

A iniciativa abraçada pela Arquidiocese visa oferecer aos fiéis que buscam as paróquias em situação de conflito, uma oportunidade para tratar de questões familiares e de vizinhança de forma colaborativa e pacífica, evitando a judicialização em prol da harmonia nas relações e pacificação social.

O NUPEMEC, dentre suas atribuições, tem envidado esforços para difundir a cultura do diálogo e para o fortalecimento dos métodos alternativos de solução de conflitos, em especial a mediação. O convênio com a Arquidiocese é uma forma de aproximação do Poder Judiciário com a comunidade e uma iniciativa para dar efetividade à Resolução CNJ/125/2010 no sentido de manter e aperfeiçoar as ações voltadas ao cumprimento da política nacional de tratamento adequado de conflitos.

16 de Fevereiro 2016


Em 26 de dezembro de 2015 entrou em vigor a Lei 13140/2015. A Lei de Mediação. Um marco legal para a busca da paz social através do diálogo e da cooperação.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13140.htm

16 de Fevereiro 2016


"Ecos da Mediação Judicial" por Bárbara Musumeci Mourão.
Este boletim expõe os resultados de uma pesquisa piloto, realizada junto aos usuários de dois Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania(CEJUSCs) situados em regiões distintas da cidade do Rio de Janeiro. Os dados derivam de 215 entrevistas telefônicas, por meio das quais testou-se uma ferramenta de avaliação da mediação de conflitos na prática judiciária, buscando-se produzir informações sistematizadas sobre seus impactos e sobre o atendimento prestado pelos mediadores aos jurisdicionados.

14 de Agosto 2015

 

 

"As instrutoras Waleska Rabelo e Arlene Kiefer ministraram curso de mediação no CEJUSC Méier. O curso de mediação capacita servidores e voluntários em métodos consensuais de solução de conflitos nos moldes da Resolução CNJ 125/2010."

14 de Agosto 2015

 

"O coordenador do Núcleo de Solução de conflitos fundiários do NUPEMEC - Des. Fernando Chagas, recebeu defensores públicos que representam os moradores da Vila Autódromo, na zona oeste do Rio de Janeiro. O objetivo do encontro foi iniciar processo de mediação e busca de consenso para pacificar conflitos envolvendo 150 famílias que residem na comunidade e a Prefeitura do Município do Rio de Janeiro. A mediação será conduzida por magistrados aposentados capacitados em métodos consensuais de solução de conflitos."

07 de Agosto 2015

 

 

"Os mediadores do CEJUSC Nova Friburgo realizaram capacitação em Justiça Restaurativa com o Professor da Governors State University - João Salm, membro do Centro de Justiça Restaurativa da Simon Frase Unversity. O Professor JoãoSalm é especialista em justiça restaurativa em processos e comunidades indígenas e fez parte do International Development Committee for the Association for Conflict Resolution. A capacitação teve como meta aprofundar conhecimentos na Teoria da Justiça Restaurativa ."

24 de Julho 2015

  O NUPEMEC e a Justiça Restaurativa

 

A AMB - Associação dos Magistrados do Brasil promoveu o I Curso de Justiça Restaurativa por meio da ENM - Escola Nacional de Magistratura como parte da campanha - Justiça Restaurativa do Brasil: a Paz pede Palavra, iniciada em agosto de 2014, com a assinatura do PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL, tendo o apoio do Conselho Nacional de Justiça e órgãos do Governo Federal, Tribunais, associações da magistratura, agências da ONU e ONGs.

Depoimentos de práticas restaurativas nos estados, plenária de mobilização e aprovação da Carta da Justiça Restaurativa do Brasil marcaram o encerramento do curso de Justiça Restaurativa no dia 24/07. A formação foi promovida pela Escola Nacional da Magistratura (ENM), da AMB, na sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF), em Brasília, e contou com representantes de 24 estados.

Representando o NUPEMEC TJRJ participaram os juízes Paulo César Vieira de Carvalho Filho e Raaphaela de Almeida Silva, coordenadores da subcomissão de Mediação Penal e Justiça Restaurativa do NUPEMEC.

Como resultado do encontro foi divulgada a PRIMEIRA CARTA DE COMPROMISSO DA MAGISTRATURA BRASILEIRA COM A JUSTIÇA RESTAURATIVA (acessar link)

Foram empreendidas iniciativas de confecção de peças publicitárias, divulgação do processo restaurativo nas redes sociais, formalização de parcerias institucionais e acadêmicas, mobilização interna junto às associações e tribunais, capacitação por meio da Escola Nacional da Magistratura (ENM), entre outras.

Outra iniciativa foi a divulgação do hotsite criado pela associação para a Justiça Restaurativa, onde poderão ser compartilhadas notícias, artigos e experiências de todo o Brasil, não apenas de órgãos institucionais, mas de todos os atores que trabalhem com o tema.

O NUPEMEC está desenvolvendo projetos para a implantação efetiva da justiça restaurativa no âmbito do TJRJ que em breve serão divulgados e convida a todos os mediadores interessados em participar a entrar em contato com a secretaria pelo e-mail nupemec@tjrj.jus.br

###

 

17 de Julho 2015

  

    "O desembargador César Felipe Cury participou do seminário "Arbitragem e Mediação na Administração Pública", no dia 17/07 em evento organizado pela CBMA no auditório da Firjan. Os palestrantes debateram o uso da arbitragem e da mediação como meios alternativos de solucionar processos judiciais com mais rapidez e, assim, reduzir o volume de ações em tramitação. O desembargador César Felipe Cury debateu no painel seguinte o tema "Mediação nas Ações Coletivas e de Tutela de Interesses Difusos", sendo que os demais componentes da mesa foram o promotor de Justiça Humberto Dalla Bernardina de Pinho e o advogado Alexandre Servino Assed. A moderaçãoficou por conta do mestre e doutor pela UERJ Frederico Price Grechi e da advogada Juliana Rodrigues Pinto."

27 de Abril 2015

  "Assinatura do pacto de mediação do CBMA pelo TJRJ  e celebração de acordo de mútuo reconhecimento entre o CBMA e o instituto CPR

Em 27 de abril de 2015, o Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem ("CBMA") realizou o Seminário "A Utilização de Métodos de Consenso na Resolução de Disputas Empresariais", na sede da Associação Comercial do Rio de Janeiro. O evento contou com a ilustre presença da Exma. Desembargadora Corregedora Geral da Justiça Maria Augusta Vaz Monteiro de Figueiredo e do Exmo. Desembargador Cesar Cury, representando o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro ("TJRJ") e, ainda, do Dr. Olivier André, Vice-Presidente doInternational Institute for ConflictPrevention&Resolution("CPR"). Participaram, também, o Presidente do CBMA, Dr. Gustavo da Rocha Schmidt, a Vice-Presidente de Mediação do CBMA, Dra. Andrea Maia, os Diretores de Mediação do CBMA, Dra. Mariana Freitas de Souza e Dr. Wilson Pimentel, e os mediadores Drs. Márcia Rosa, Diego Faleck e Juliana Loss de Andrade.

O Seminário representou um verdadeiro marco histórico, devido, primeiramente, à adesão pelo TJRJ ao Pacto de Mediação do CBMA. Por meio do Pacto de Mediação, os operadores das mais variadas áreas da atividade econômica, assim como os formadores de políticas públicas, assumem o compromisso de adotar práticas alinhadas com os métodos consensuais de solução de controvérsias, tais como a negociação, a conciliação e a mediação, com o intuito de aperfeiçoar constantemente os processos de gestão e resolução de disputas, de maneira colaborativa, eficiente e sustentável.

O TJRJ foi o primeiro Tribunal do Brasil a dar esse importante passo em direção ao incentivo das formas consensuais de resolução de disputas e, por isso, sua iniciativa deve ser aclamada. Como amplamente discutido no Seminário, a postura que o TJRJ vem assumindo em relação aos métodos       consensuais, como a mediação e a conciliação, é realmente inovadora e serve de exemplo para as demais Cortes brasileiras. Além de ser responsável por esse grande progresso no cenário nacional, o TJRJ demonstrou que está alinhado com as melhores práticas internacionais de resolução de       conflitos, tendo em vista que os meios alternativos de resolução de controvérsia vêm crescendo quase que exponencialmente ao redor do globo.

Além da adesão ao Pacto de Mediação do CBMA pelo TJRJ, foi celebradono Seminárioo Acordo de Mútuo Reconhecimento entre o CBMA e o CPR - instituição de referência no que diz respeito aos métodos alternativos de resolução de disputas (ou alternative dispute resolution - "ADR") -, o qual representou um importantíssimo avanço na história de ambas as instituições. A partir da celebração do Acordo, o CPR e o CBMA definiram a solidariedade e a reciprocidade de seus respetivos pactos de ADR, além de solidificarem sua cooperação e estreitarem seus laços.

O CPR revolucionou os métodos consensuais de resolução de disputas ao criar em 1984 o Corporate PolicyStatementonAlternativestoLitigation("PolicyStatement"), por meio do qual empresas e instituições se comprometem a desenvolver uma série de políticas internas e externas para aprimorar a   resolução de disputas. Mais de 4.000 empresas e 1.500 escritórios de advocacia de todo o mundo já aderiram ao PolicyStatement do CPR, se comprometendo a considerar métodos alternativos antes de ajuizarem ação judicial. Atualmente, o CPR vem promovendo o 21st Century ADR Pledge.

A celebração do Acordo de Mútuo Reconhecimento é um marco de extrema relevância, considerando, principalmente, que o CBMA foi a primeira câmara brasileira a concretizar sua reciprocidade e mútua cooperação com o CPR. Além do CBMA, o CPR celebrou acordos nesses moldes com o Centre de Médiationet d'Arbitrage de Paris (CMAP),IrishCommercialMediationAssociation (ICMA), CameraArbitralediMilano (CAM) e Centre for Effective Dispute Resolution (CEDR).

A assinatura do Acordo encerrou uma semana dinâmica e bem-sucedida para o CPR no Brasil, durante a qual foi também realizado o evento de lançamento das novas regras internacionais de arbitragem do CPR, o Congresso Anual de Mediação Empresarial 2015 do CPR, e o Seminário de Mediação Empresarial Internacional, dentre outros eventos.

###

Sobre o CBMA:

O CBMA é uma câmara de arbitragem e mediação genuinamente carioca, fundada em 2001 pela ACRJ - Associação Comercial do Rio de Janeiro, pela FENASEG - Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização e pela FIRJAN - Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, três das entidades mais representativas da economia do Rio de Janeiro. O Centro possui instalações adequadas, secretaria eficiente e um corpo técnico na sua diretoria formado por renomados advogados, que dão suporte a todos os procedimentos arbitrais e de mediação. Possui, ainda, um quadro de árbitros e mediadores de elevada competência e respeitabilidade. Para mais informações, acesse o site www.cbma.com.br.

Sobre o CPR:

O CPR é a única organização independente, nos Estados Unidos, que tem como missão principal auxiliar empresas multinacionais e seus advogados a resolverem disputas comerciais complexas de forma colaboratica e com uma relação custo-benefício mais eficaz. Há mais de 30 anos, a comunidade jurídica vem confiando no CPR para apresentar soluções inovadoras e práticas aos conflitos empresariais, por meio da atuação de árbitros e mediadores de alta competência. Os membros do CPR são os principais pensadores e profissionais no que concerne a resolução de disputas, incluindo executivos e assessores jurídicos dos maiores escritórios de advocacia e empresas do mundo, juízes aposentados, e acadêmicos. Para mais informações, acesse o site www.cpradr.org".

 

20 de Março 2015

 "Seminário de Mediação Empresarial

O Des. César Cury, Presidente do NUPEMEC - participou da mesa de abertura do "Seminário de Mediação Empresarial e convite para adesão ao Pacto de Mediação" promovido pela FIRJAN e CBMA (Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem) ocorrido hoje no auditório da Firjan. 
O Presidente do NUPEMEC apresentou o projeto do TJRJ para o tratamento adequado dos conflitos, reafirmando que a política de autocomposição, por meio da utilização de métodos consensuais de solução de conflitos, notadamente a mediação e a conciliação, é prioridade da atual administração.
Participaram do evento como palestrantes o Dr. Paul Randolph, mediador, Barrister e Professor do curso de Mediação na Regentis University London, e o Dr. Damien Côté, mediador e advogado canadense, abordando o tema Mediação: aspectos psicológicos, seus fundamentos e desafios.
Na segunda mesa, foram debatidas as experiências empresarial e jurídica com a prática da mediação e outros meios de solução de controvérsias, com a participação do Dr. Diego Faleck, advogado e mediador, Dr. João Afonso de Assis, advogado, mediador e pesquisador , Dra. Kátia Valverde Junqueira, advogada pela UERJ, diretora Jurídica do Grupo Gás Natural Fenosa no Brasil e Dra. Maria Rita Drummond , diretora Jurídica da empresa Cosan.
O evento foi organizado pelo Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem, Sistemas Firjan, Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), e pela Associação Comercial do Rio de Janeiro com o apoio do International Institute for Conflict Prevention & Resolution (CPR)".

 

13 de Março 2015
"O NUPEMEC promoveu com o apoio do SEBRAE evento com os temas "Educação Financeira"  e "Superendividamento" no dia 12/03/2015 no Auditório da Corregedoria. As palestras foram ministradas pela Analista do Banco Central, Dra. Denise Rodrigues da Silva e pela Defensora Pública Coordenadora do NUDECON Dra. Patrícia Cardoso. O evento faz parte das iniciativas voltadas a comemoração de 25 anos do CDC, sendo tema relevante para a capacitação continuada dos mediadores".

 

06 de Outubro 2014

 "O  Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos promoverá, no dia 09 do mês de outubro do corrente ano, Agenda Concentrada de Mediação com a empresa BV Financeira, para a qual foram selecionados processos em curso nas Varas Cíveis. As Sessões de Mediação serão realizadas no CEJUSC Capital, localizado no Beco da Música, 121 Térreo - Sala T 06, Centro, Rio de Janeiro - RJ, no dia e horário discriminados na relação AQUI disponível. Qualquer dúvida, o interessado poderá fazer contato com o NUPEMEC nos telefones 3133-5571 e 3133-9698".".

22 de Setembro 2014

 "O NUPEMEC, o CEJUSC Nova Iguaçu e a Comissão de Mediação da OAB/RJ convidam advogados, estagiários e demais interessados para a palestra de sensibilização quanto à prática da Mediação de Conflitos que será realizada no dia 25/09 das 11:00 às 13:00 na sala da EMERJ, localizada na Rua Dr. Mário Guimarães - 968, 4º andar - Prédio Anexo - Bairro da Luz - Nova Iguaçu."

22 de Setembro 2014

 "O NUPEMEC, o CEJUSC Jacarepaguá e a Comissão de Mediação da OAB/RJ, convidam advogados, estagiários e demais interessados para a palestra de sensibilização quanto à prática da Mediação de Conflitos que será realizada no dia 26/09 das 16:00 às 18:00 no Fórum de Jacarepaguá - Rua Prof. Francisca Piragibe, 80 Térreo."

22 de Setembro 2014

"O NUPEMEC, o CEJUSC Madureira e a Comissão de Mediação da OAB/RJ convidam advogados, estagiários e demais interessados para a palestra de sensibilização quanto à prática da Mediação de Conflitos que será realizada no dia 26/09 das 11:00 às 13:00 no Fórum de Madureira - Rua Ernani Cardoso 152, sala 205"

16 de Setembro 2014

"O CENTRO JUDICIÁRIO DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS E CIDADANIA (CEJUSC) do Fórum Regional de Jacarepaguá e a COMISSÃO DE MEDIAÇÃO da OAB/RJ, convidam serventuários, advogados, estagiários, mediadores e demais interessados, para PALESTRA de Sensibilização quanto à Prática de Mediação de Conflitos, a ser realizada por essa Comissão, no dia 26/09/2014 às 16h, no Auditório do Fórum de Jacarepaguá."

15 de Setembro 2014

"O Centro Judiciário de Solução de Conflitos- CEJUSC - de Nova Friburgo, estará promovendo nos dias 18, 19 e 20 de setembro o 1º Encontro Estadual de Mediação de Conflitos no SESC Nova Friburgo. No encontro serão debatidas as novas tendências da Política Pública em Mediação Judicial e Conciliação e apresentadas as boas práticas que estão sendo implementadas no âmbito da mediação. As inscrições podem ser feitas pelo site da EMERJ."

13 de Agosto 2014

Desembargadora Jacqueline Montenegro - Presidente do NUPEMEC e a Dra. Ana Célia Montemor Soares Rios - Juíza Diretora do CEJUSC Capital - têm o prazer de convidá-los para a apresentação do - Palco Acadêmico - projeto da UERJ voltado para a difusão de informações e debates de temáticas relacionadas à família contemporânea

A apresentação com o tema -Separação conjugal e guarda de filhos - será seguida de debate com a Dra. Leila Torraca de Brito, coordenadora do projeto e Dra. Raquel Chrispino - Juíza Coordenadora do CEJUSC São João de Meriti e será realizada no dia 18/08/2014 às 15:00 horas no Auditório Desembargador José Navega Cretton, localizado no 7º andar da Lâmina I.
 
É necessário confirmação de presença por meio de e-mail: nupemec@tjrj.jus.br

09 de Abril 2014

O Desembargador César Felipe Cury , representando o TJRJ , compareceu à I Conferência Nacional de Mediação de Família e Práticas Colaborativas realizada pelo Conselho Nacional de Justiça no dia 10 de dezembro, em Brasília/DF. A Conferência foi organizada pelo Comitê Gestor do Movimento pela Conciliação e teve como objetivos:.

Foi inaugurado nesta quarta-feira, dia 9, o Centro Judiciário de Resolução de Conflitos e Cidadania (Cejusc), no Fórum de Volta Redonda, Sul do Estado. A cerimônia de inauguração contou com a presença da presidente do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), desembargadora Jacqueline Montenegro, da juíza-auxiliar da Presidência do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ), Valéria Pachá, além de magistrados, servidores, representantes do Ministério Público e Defensoria Pública.

Com uma equipe formada por 12 mediadores, e dirigida pelo juiz Roberto Henrique dos Reis, o Cejusc vai atender principalmente processos originários de Varas de Família, Cíveis, Juizados Especiais Cíveis e Criminais e é coordenado pela mediadora Denise Nunes Cordeiro. 

Ao criar uma central de mediações em Volta Redonda, o TJRJ segue no cumprimento de seu Plano Estratégico: estimular a mediação como instrumento de resolução de conflitos, além de ampliar sua política de atuação para o interior. O Cejusc vai atender as demandas do município de Volta Redonda e é o primeiro a ser instalado no 5º NUR.