Niterói recebe 3º Encontro de Mediadores Judiciais
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 18/10/2019 19:20
Seminário discute a importância da mediação para a promoção da paz

 

                                                                          Os desembargadores César Cury e Cristina Tereza Gaulia

 

Durante a abertura do 3º Encontro de Mediadores Judiciais do Estado do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira, dia 18, no Teatro Reserva Cultural, em Niterói, o presidente do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec) do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), desembargador César Cury, enfatizou a importância das palestras e debates em torno do objetivo de estabelecer ações para a pacificação social acerca do tema deste ano: “Políticas Públicas: a mediação como estratégia para uma paz sustentável”.

- A gente entende que o Poder Judiciário é o maior formulador dessa política pública. O momento nacional exige investimentos pessoais, humanos e financeiros, público e privados. Desenvolvemos uma série de ações voltadas para a implementação de medidas dessa política de consensualidade de constituição da paz. Procuramos avançar na extensão da política pública, onde a base da sociedade possa ser alcançada pelo poder do diálogo - destacou.

O magistrado afirmou que a mediação realizada pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) é uma maneira de desenvolver e aprimorar métodos consensuais desenvolvendo uma série de ações voltadas para a implementação de medidas dessa política de consensualidade de constituição da paz.

- Este evento é um marco para a mediação. Já evoluímos bastante com a experiência dos encontros anteriores. Em Niterói, já implementamos a mediação de núcleo escolar do município. O segundo passo é com a segurança pública, guardas municipais, policiais militares, civis, e membros de conselhos tutelares, de modo a formar grande ambiente dentro do município, com o uso da comunicação como forma de evitar e tratar, contribuindo com ambiente de paz – disse.

Participaram da cerimônia a juíza Valéria Lagrasta, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP); Maria das Graças Silva Raphael, coordenadora-geral do Pacto Niterói contra a Violência; coronel Gilson Chagas, chefe do Gabinete de Gestão Integrada de Niterói; Luísa Vianna Assumpção, gerente da Rede Mediar; e a secretária de Fazenda de Niterói, Giovanna Victer, que apresentou, em nome do prefeito Rodrigo Neves, o Pacto de Segurança de Niterói e a Rede Mediar. A iniciativa consiste na difusão dos métodos consensuais de solução de conflitos, especialmente a mediação.

- O aprofundamento dos índices de violência mostra a necessidade da participação da mediação e prevenção no Programa Pacto contra a Violência. Estamos honrados de terem escolhido Niterói para sediar o evento - pontuou a secretária.

A desembargadora Cristina Tereza Gaulia falou sobre o tema “Mediadores – Agentes Eficientes da Cultura da Paz – Avanços sem Retrocessos”. Para ela, não há mediação sem conflitos, e “sobre o caos podemos construir novas soluções e caminhos”:

- A mediação entra como fórmula para o diálogo de maneira fraterna, solidária e democrática. A proposta do diálogo é de empoderar o outro, e não a si mesmo.

A desembargadora explicou ainda que a função do mediador deve ir além de um mero acordista. Quem tem essa função presta, como frisou a magistrada, um papel relevante ao fazer a diferença como agente pacificador.

- Trata-se de um novo momento do Direito. É um Direito de muitas interfaces, inserido na complexidade da sociedade em que vivemos. Diante do caos que se instaurou em nossa sociedade, o mediador precisa ser um agente público, um pacificador social – esclareceu.

O 3º Encontro de Mediadores Judiciais do Estado do Rio de Janeiro acontece também neste sábado (19/10), das 10h às 15h, no auditório da sala Nelson Pereira dos Santos, no Teatro Reserva Cultural, na Avenida Visconde do Rio Branco 880, São Domingos, Niterói.

SV/FS

Fotos: Luiz Henrique Vincent/ TJRJ