Juíza autoriza acolhimento de bebê raptado em São Paulo
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 20/07/2018 18:06

A juíza Juliana Kalichsztein, da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso de Duque de Caxias, determinou, nesta segunda-feira, dia 16, medida protetiva institucional para o bebê do sexo feminino que teria sido raptado por um casal. Após realizarem um parto forçado, eles teriam assassinado a mãe da criança, na cidade de Paraibuna, em São Paulo. Após receber alta do Hospital Municipal Dr. Moacyr Rodrigues do Carmo, onde está internada, a recém-nascida será acolhida no Lar Jesus é Amor, em Duque de Caxias.

O casal veio de São Paulo para Caxias, depois da tentativa frustrada de registrar o nascimento em São Paulo. Foi preso pelos policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e da delegacia de Paraibuna, que investigavam a morte da mãe da criança, cujo corpo foi encontrado, com um corte no abdômen, às margens de uma represa. O casal foi levado para a carceragem de uma cidade próxima à Paraibuna.

No ofício recebido pela magistrada, a equipe do hospital informou que a criança está sob regular estado de saúde.

Processo nº 0039092-87.2018.8.19.0021