Revista Veja Rio destaca casos de adoção de bebês com microcefalia
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 23/01/2018 17:00

A revista Veja Rio destaca em sua edição semanal uma reportagem de capa sobre a adoção de bebês e crianças rejeitadas pelas mães biológicas por terem microcefalia e que ganharam pais adotivos. A matéria conta com depoimentos de pais e magistrados do TJ e pode ser conferida aqui.

De acordo com o presidente da Coordenadoria Judiciária de Articulação das Varas da Infância e Juventude e Idoso (Cevij), juiz Sérgio Luiz Ribeiro de Souza, reportagens como essa ajudam a esclarecer a boa prática da adoção, na qual uma criança – não importando o perfil - deve ser encaminhada para uma família.

“A maioria dos candidatos a pais adotivos busca bebês brancos e saudáveis. Mesmo assim, muita gente ficou comovida com a situação desses bebês quando as imagens surgiram, em 2016, e alguns, contrariando o senso comum, transformaram em seus filhos crianças abandonadas pelos pais biológicos”, destaca, acrescentando que a revelação de casos reais aproxima mais pretendentes à adoção de bebês e crianças.

Ter um filho que exige cuidados especiais não é fácil, esclarece uma das entrevistadas da reportagem. “Mas acompanhar os avanços é motivador para quem se dispõe à adoção de uma criança com microcefalia”, disse Luciana Ouverney, de 42 anos.

Em outro caso, em Barra Mansa, a juíza Lorena Paola Nunes Boccia não escondeu a emoção em realizar a audiência e ver a expressão de satisfação da criança ao rever a mulher, Joana Darc Rodrigues, que adotou a criança depois de ser abandonada.

No Brasil, há mais de 7.500 crianças e adolescentes à espera de uma família, sendo 1.780 vivendo em abrigos no Rio e 569 destas aptas para adoção imediata. Na outra extremidade, existem mais de 3.580 pretendentes à adoção somente no estado. Conciliar estes números é o grande desafio.

Foto: Brunno Dantas/ TJRJ

SV/FB

            

Galeria de Imagens