Comitês de Gênero: novo vídeo sobre intolerância religiosa está disponível 
Notícia publicada por DECOI - TJRJ em 07/02/2024 16:44

Além dos cinco vídeos do 4º episódio do Projeto “Quem sente na Pele” sobre intolerância religiosa - já estão disponíveis na página do Tribunal-, foi incluído um novo vídeo que reúne todos os depoimentos gravados com relatos e reflexões de desembargadoras e desembargadores de diferentes credos religiosos sobre discriminação, preconceito e intolerância. As mensagens reforçam a importância da liberdade de religião ou crença, que é garantida pela Constituição Federal.

 

Os relatos
O desembargador Ademir Paulo Pimentel, presidente do Fórum Permanente de Direito e Religiões da Emerj, fala sobre a lei do amor; a desembargadora Denise Levy Treder  destaca que o ódio religioso é um retrocesso da humanidade; a importância em respeitar as diferentes religiões e também as pessoas que não tem religião é observada pela desembargadora Maria Celeste Jatahy;  a desembargadora Ivone Caetano trata da discriminação em relação às religiões de matriz africana e a necessidade de respeito; e o desembargador Marco Aurélio Bezerra de Melo, diretor-geral da Emerj, diz que todas as religiões são boas, mas o homem, muitas vezes, desvirtua.
Para assistir aos vídeos, clique aqui.


5º Episódio - Alcoolismo

Neste mês de fevereiro, que marca o Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo (18/02), o 5º episódio do Projeto “Quem sente na pele” vai tratar do tema.
Segundo dados do Ministério da Previdência Social (MPS), o número de trabalhadores afastados de suas funções por conta da dependência de álcool aumentou 35% no ano passado. Em 2023, foram 8,5 mil auxílios-doença concedidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a segurados diagnosticados com alcoolismo. No ano anterior, foram 6,7 mil benefícios liberados. 

O projeto “Quem sente na pele” traz vídeos com declarações a respeito dos temas atinentes aos COGENs, com o propósito de conscientização e prevenção. Contribui, ainda, para divulgar os Comitês e sua função de acolhimento voltada ao público interno do TJRJ, especialmente para as pessoas que possam estar vivenciando assédio ou qualquer tipo de discriminação”, destacou o desembargador Wagner Cinelli, presidente dos COGENs.

 

 

Departamento de Comunicação Interna