Museu da Justiça convida para mais um passeio no tempo e na história

O vitrail da deusa da justiça Têmis - localizado nas escadarias do hall de entrada - a todos encanta durante o passeio guiado pelo Museu ao Antigo Palácio da Justiça.  O núcleo de mulheres vítimas de violência relembra crimes de repercussão, como o da atriz Daniella Perez.
 

O Museu da Justiça convida para as visitas guiadas que serão realizadas nestas terça-feira, dia 22, às 14h, e quarta-feira, dia 23, às 11h e às 14h, ao Antigo Palácio da Justiça. Em uma viagem de caráter educativo pela história da Justiça fluminense, estudantes de todos os níveis, de instituições de ensino público e privado, além do público em geral, são apresentados aos aspectos históricos do antigo prédio e do Poder Judiciário estadual. Na ocasião, é possível apreciar a exposição recém-inaugurada "Mulher, Direito e Sociedade: o feminino na construção da justiça". Ambas as atividades são gratuitas.

As visitações duram cerca de 60 minutos e são feitas por educadores da instituição que interagem com os interessados. O passeio começa pelo "hall" de entrada do Antigo Palácio da Justiça, prosseguindo pelos Salões Nobre e dos Espelhos, biblioteca do Museu, Plenário da Corte do antigo Tribunal e Tribunal do Júri. É facultado ao visitante ter acesso também à reserva técnica da Instituição, localizada no térreo, onde o acervo não exposto - gravuras, quadros e indumentárias típicas do Poder Judiciário - está guardado de forma segura e organizada.

Outra opção de "viajar no tempo e na história" é conhecer a exposição "Mulher, Direito e Sociedade: o feminino na construção da justiça", aberta ao público de segunda a sexta, das 11h às 17h, no Salão dos Passos Perdidos e dos Espelhos, nos 2º e 3º andares, da Rua Dom Manuel, 29 - Centro. A mostra tem como objetivo apresentar uma perspectiva histórica sobre as questões de gênero em nossa sociedade, principalmente a relação entre as conquistas de direitos obtidas pelas mulheres dentro e fora do Poder Judiciário. Está dividida em dois núcleos: o das batalhas empreendidas pelas mulheres na conquista de espaços ao longo da história e outro que aborda crimes de repercussão estadual e nacional, tendo mulheres como vítimas, com julgamentos ocorridos no antigo Tribunal do Júri, como os casos Aída Cury, Claudia Lessin Rodrigues e da atriz Daniella Perez.

As inscrições para as visitas guiadas podem ser feitas pelos telefones (021) 3133-3532/3497 ou pelo e-mail exposicoes@tjrj.jus.br. São aceitos grupos de até 40 pessoas, por sessão.  

O Museu da Justiça é uma unidade vinculada à Diretoria Geral de Comunicação Institucional (DGCOM) do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

Outras informações, veja aqui