Museu da Justiça do Rio encerra atividades do ano de 2013 com sucesso

  

 

O Museu da Justiça do Rio chega ao final do mês de dezembro, comemorando mais um ano de sucesso em sua programação cultural. Em 2013, ano em que celebrou 25 anos de sua fundação, a instituição lançou, em parceria com os Correios, carimbo comemorativo; inaugurou quatro novos ambientes no Antigo Palácio da Justiça; participou das campanhas de combate ao câncer de mama e ao diabetes mellitus; e promoveu diversas atividades artísticas e culturais ¿ como exposições, cursos, seminários, visitas guiadas, entre outras. Diariamente aberta ao público, a programação do Museu da Justiça tem entrada gratuita e recebe visitantes de todas as idades.

No mês de agosto, quando comemorou 25 anos de sua fundação, o Museu da Justiça do Rio inaugurou a exposição "Mulher, Direito e Sociedade: o feminino na construção da Justiça".  Composta por 62 painéis, a mostra apresentou uma perspectiva histórica sobre as questões de gênero em nossa sociedade, principalmente a relação entre as conquistas de direitos obtidas pelas mulheres e a incorporação dessas transformações na visão e no funcionamento do Poder Judiciário. Entre outros temas, a exposição, que ficou em cartaz até o início do mês de dezembro, abordou a história da conquista do voto feminino; a consolidação dos Direitos da Mulher tratados na Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, mais conhecida como "Lei Maria da Penha"; bem como alguns crimes de gênero (que têm mulheres como vítimas de violência doméstica), de repercussão estadual e nacional, que foram julgados no antigo Tribunal do Júri, como os casos Aída Cury, Cláudia Lessin Rodrigues e Daniela Perez.

A mostra prestou, também, uma homenagem às magistradas pioneiras do Tribunal de Justiça do Rio ¿ entre elas, a presidente do TJRJ, desembargadora Leila Mariano ¿, por meio de uma pequena exposição de objetos, fotografias e documentos significativos da atuação e da memória de cada uma delas. Além da presidente Leila Mariano, foram homenageadas as desembargadoras Áurea Pimentel, Maria Stella Villela, Mariana Pereira Feteiras, Nilza Bitar (terceira vice-presidente do TJRJ), Maria Collares Felipe da Conceição, Maria Inês da Penha Gaspar e Ana Maria Barbalat.

Ainda no mês de agosto, no dia 23, em parceria com os Correios, o Museu lançou carimbo comemorativo em homenagem aos seus 25 anos. O evento contou com a presença da presidente do Tribunal de Justiça do Rio, desembargadora Leila Mariano, além de magistrados do TJRJ e convidados. Na ocasião, um grupo especial e cheio de talento enriqueceu ainda mais a cerimônia: crianças e adolescentes integrantes da Orquestra Infanto-Juvenil das Comunidades Pacificadas da cidade do Rio de Janeiro, interpretaram um repertório de composições eruditas e canções célebres e populares, emocionando a plateia presente no Salão Histórico do I Tribunal do Júri.

Nesse mesmo dia de comemorações, o Museu da Justiça do Rio inaugurou quatro novos ambientes: o da Biblioteca de Obras Raras (sala 320), com destaque para os acervos dos desembargadores Oscar Tenório, Pontes de Miranda e José Joaquim da Fonseca Passos e do jurista Sobral Pinto; o de Exposições de Ambiente Judiciário nas décadas de 1950 a 1970 (sala 307) e de Mobiliário Forense (sala 309); e o da Oficina jurídico-pedagógica (sala 305), para atividades pedagógicas de auxílio às visitas guiadas ao Antigo Palácio da Justiça para crianças e jovens do ensino fundamental.

Paralelamente aos eventos comemorativos, o museu promoveu, durante o ano de 2013, suas tradicionais visitas guiadas ao Antigo Palácio da Justiça. Ao todo, foram realizadas 76 visitas guiadas, mediadas por educadores da Instituição, para 1.679 participantes.  A visita mediada dura cerca de 60 minutos e tem o objetivo de apresentar ao público aspectos arquitetônicos e históricos do prédio, bem como a história da Justiça fluminense. Além das visitas agendadas para grupos, foram realizadas visitas individuais, às quais compareceram 2.160 pessoas, de diferentes idades e origens.

Para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho), o Museu da Justiça promoveu a exibição de documentários sobre Direito Ambiental, durante os dias 5, 6 e 7 de junho. O evento aconteceu na Sala da Câmara Isolada, localizada no 3º andar do prédio, e teve entrada franca.

No mês de outubro, o Museu da Justiça aderiu à campanha "Outubro Rosa'. Do dia 17 ao 31, toda a fachada externa do Antigo Palácio da Justiça ficou iluminada com a cor rosa. A iniciativa teve o objetivo de contribuir com a campanha, no sentido de chamar a atenção da população, principalmente das mulheres, para a necessidade da prevenção do câncer de mama.

Com a mesma finalidade, a instituição aderiu ao movimento "Novembro Azul" de combate ao diabetes mellitus. Durante todo o mês de novembro, a fachada externa do Antigo Palácio da Justiça ficou iluminada com a cor azul, que simboliza a campanha, com o intuito de mobilizar a sociedade para a importância do controle do diabetes.

Com a missão de resgatar, preservar, divulgar e promover o acesso à memória do Judiciário fluminense, o Museu da Justiça do Rio vem realizando importantes eventos, entre eles,seminários, cursos, exposições, pesquisas, concursos de monografias, entrevistas com personalidades do mundo jurídico, publicações e visitas histórico-educativas ao Antigo Palácio da Justiça. Todas as atividades promovidas pela instituição são gratuitas e abertas ao público em geral.

Museu da Justiça

O Museu da Justiça do Rio foi inaugurado em 23 de agosto de 1988, com a exposição "Magistratura e Abolicionismo: 1888-1988". A instituição conta com um acervo museológico de cerca de 4.400 objetos, sendo constituído, em sua grande parte, por fotografias de pessoas ligadas à história da Justiça estadual, além de peças de mobiliário, estátuas, quadros, condecorações e vestes talares de magistrados. Já seu acervo bibliográfico dispõe de quase 20 mil títulos, dentre eles obras raras, como as Ordenações do Reino de Portugal (século XVII) e a Coleção de Leis do Brasil.

O Museu da Justiça é uma unidade vinculada à Diretoria-Geral de Comunicação Institucional (DGCOM) do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e fica na Rua Dom Manuel, 29, Centro, Rio de Janeiro, no Antigo Palácio da Justiça. O horário de funcionamento é das 11h às 18h.