Rede de Museus: uma nova iniciativa de preservação da memória de instituições judiciárias.

Rede de Museus: uma nova iniciativa de preservação
da memória de instituições judiciárias

Mesmo sem ter sido criada oficialmente, a Rede de Museus do Judiciário já é classificada como peça fundamental para a consolidação das iniciativas de preservação e memória de instituições da Justiça espalhadas pelo País. Magistrados e especialistas destacaram nesta quinta-feira dia 30, como, na prática, a rede poderá fortalecer a troca de experiências entre museus, centros de memória e memoriais do Judiciário. A Rede de Museus terá seu documento apresentado nesta sexta, dia 31, no encerramento do 1º Seminário Nacional de Museus e Centros de Memória, realizado pelo Museu da Justiça do TJRJ, no Antigo Palácio da Justiça, no Centro do Rio.

Ingrid SchroderSliwka, juíza federal do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, do Rio Grande do Sul, falou que o seminário está sendo muito interessante por focar no tema da memória judiciária."Todos estão apresentando experiências valorosas, das diferentes partes do nosso País que é continental. Certamente, estas ideias vão contribuir para o nosso trabalho", afirmou a magistrada.

O juiz auxiliar do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Marivaldo Dantas, participante do evento, disse também que a proposta de trocar experiências entre museus da Justiça do País vai ao encontro das diretrizes do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário. "Já era hora de fortalecer essa discussão. A Rede de Museus do Judiciário fará parte do eixo que dará vida ao Proname", completou o juiz.

A Rede de Museus do Judiciário vai contribuir para outros grupos de trabalho regionais. A afirmação é de Luís José de Jesus Ribeiro, desembargador presidente da Comissão Permanente de Avaliação de Documentos do TRT/8ª Região, do Pará, integrante do Memojutra, o Fórum Nacional Permanente em Defesa da Memória da Justiça do Trabalho, o magistrado acrescentou que o seminário tem se destacado por ressaltar a importância dos museus. "O Memojutra ganha muito com a nova rede, pois poderemos compartilhar nossos trabalhos e levar novas ideias à nossa região", falou.
A parte da manhã, desta quinta-feira, foi destinada ao prosseguimento das oficinas de trabalho interinstitucionais, com a apresentação, à tarde, dos seus resultados. Foi também redigido o documento final sobre os quatro dias de debates.

Programação desta sexta-feira, dia 31
Nesta sexta-feira, dia 31, a partir das 9h30, será apresentado o documento final com as propostas do seminário, com encerramento do evento, previsto para às 12h.
O 1º Seminário Nacional de Museus e Centros de Memória do Poder Judiciário é uma realização do Museu da Justiça/DEGEM, por meio da Divisão de Gestão da Comunicação (DIGCO)/Serviço de Exposições e Educação Patrimonial (SEEXP), órgãos vinculados à Diretoria Geral de Gestão do Conhecimento (DGCON) do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. O patrocínio é da Secretaria Estadual de Cultura (SEC).

O Museu da Justiça do Rio de Janeiro fica na Rua do Manuel, 29 - Centro, dentro do Antigo Palácio da Justiça.
Mais informações, no site www.tjrj.jus.br/institucional/museudajustica