Assessoria Imprensa (Dest. Foto/Texto)

Retornar para página inteira

Traficantes Nem e Zeu ficarão mais tempo em presídios federais

Notícia publicada pela Assessoria de Imprensa em 2017-10-19 11:29:00.0

O juiz da Vara de Execuções Penais (VEP) do Rio, Rafael Estrela, renovou por mais 360 dias o prazo de permanência dos traficantes Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, e Eliseu Felício de Souza, o Zeu, nos presídios federais de Porto Velho/RO e Mossoró/RN, respectivamente. O juiz acolheu pedido da Secretaria Estadual de Segurança, cujo relatório de inteligência apontou para o risco de aumento dos confrontos armados na cidade.

O documento da Secretaria de Segurança cita como exemplo a guerra travada na Rocinha, entre facções rivais, para o controle do tráfico de drogas na região. O conflito tomou tamanha dimensão, que culminou com a utilização das forças armadas, através do Exército, para restabelecimento de alguma ordem na localidade.

Na decisão, o magistrado lembra que a Lei de Execuções Penais permite que o preso seja recolhido em presídio federal de outro estado quando a medida se justificar no interesse da segurança pública. Por sua vez, a Lei n° 11.671/08, que regula a transferência de presos, autoriza a renovação do prazo por um novo período, caso permaneçam inalterados os motivos da transferência.

“Reforça-se a imprescindibilidade da medida em questão, quando se vislumbra o atual momento de crise em que se encontra o Estado do Rio de Janeiro, com sérias implicações no potencial de investimento e manutenção dos órgãos de segurança pública e administração penitenciária, reforçando a sensação de insegurança e instabilidade, que só se agravarão com o retorno dos líderes de facção”, assinalou o juiz na decisão.

Apontado como líder do tráfico na Rocinha e da facção criminosa denominada “Amigos dos Amigos (ADA)”, Nem cumpre pena em presídio federal desde novembro de 2011. Zeu, por sua vez, foi transferido em dezembro de 2010.  Condenado a 23 anos pela morte do jornalista Tim Lopes, em junho de 2002, ele, segundo as investigações, integra a cúpula do “Comando Vermelho (CV)”, ocupando posição de liderança no Complexo do Alemão, da Penha, Palmerinha e Tuiuti.

AB